Archive for abril, 2010

Plataforma gigante de quinta geração explode, afunda e provoca uma catástrofe ecológica sem precedentes – 20.04.2010

A plataforma de petróleo trans-oceânica Horizon Deepwater era uma das proezas da engenharia mais avançadas do mundo, depois de ter perfurado em maior profundidade do que qualquer outra plataforma aquática. Mas, quando a plataforma de quinta geração explodiu na noite de terça-feira, dia 20 de abril de 2010, ferindo 17 trabalhadores e deixando 11 desaparecidos, o acidente revelou que as plataformas de águas profundas mais modernas ainda não estão imunes a um perigo antigo da perfuração de petróleo, o que os “plataformistas” chamam, simplesmente, de “blowout”, ou seja, explosão.

A plataforma pertencia à Transocean com sede em Genebra, que em seu Site informava que ela tinha aproximadamente o dobro do tamanho de um campo de futebol. Criada em 2001 na Coréia do Sul, foi projetada para operar em águas de até 8.000 metros de lâmina d’água, capaz de perfurar até 8.8000 metros de solo, e acomodar uma tripulação de 130 pessoas. Ela flutuava em pontões e era ancorada ao fundo do mar por várias âncoras de grande porte.

Atualmente a plataforma estava sob contrato de leasing com a gigante petrolífera BP, e estava fazendo perfurações exploratórias, mas não estava em produção, disse o porta-voz da Transocean, Panagos Greg. Setenta e nove trabalhadores Transocean, seis funcionários da BP e 41 trabalhadores contratados estavam a bordo.

Em setembro passado, a Horizon Deepwater estabeleceu um recorde mundial de profundidade quando perfurou uma profundidade superior a 10.700 metros em outro site da BP no Golfo do México, informou Panagos.

“Era um dos equipamentos mais avançados que existe”, disse Panagos que afirmou não saber qual foi o custo para construí-la, mas disse que uma similar, hoje em dia, custaria entre 600 e 700 milhões de dólares.

A plataforma semi-submersível estava ancorada a 41 milhas do estado da Louisiana, e estava completando um revestimento de concreto de um poço perfurado a 5.500 metros em uma área chamada de Prospect Macondo.

A empresa reconheceu que algo aconteceu na perfuração; isto foi evidenciado pelo fato de que o fogo estava sendo abastecido por fuga de óleo ou gás. “Houve, sem dúvida alguma o acúmulo anormal de pressão,” disse o diretor de segurança da Transocean, Adrian Rose. Ele não deu outras pistas sobre as causas que levaram o equipamento a explodir ou o motivo pelo qual a pressão não pôde ser controlada.

Como resultado deste acidente ocorreu a maior catástrofe ambiental de nossos dias.

Poderia um dispositivo de segurança adicional ter evitado o derramamento de óleo da plataforma Deepwater Horizon?

A plataforma de petróleo Deepwater Horizon que explodiu na semana passada não foi equipada com um dispositivo de segurança que poderia ter evitado o derramamento maciço de óleo que ocorreu. O dispositivo, conhecido como um interruptor acústico é uma proteção de retaguarda contra vazamentos submarinos, e é exigido pelos órgãos reguladores da Noruega e do Brasil. Infelizmente, os Estados Unidos não tem essa regulamentação para exploração de poços de petróleo ao largo de sua costa.

De acordo com uma reportagem do Wall Street Journal, um interruptor acústico é um dispositivo de controle remoto que uma equipe pode usar em uma tentativa de acionar uma válvula submersa que desliga um poço que esteja danificado. O interruptor é concebido como um elemento de último recurso, visto que os sistemas primários de shut-off quase sempre operam quando poços estão fora de controle. O interruptor acústico pode ser disparado a partir de uma embarcação salva-vidas se uma plataforma de petróleo tiver que ser evacuada.

Apesar do bom histórico destes interruptores no Mar do Norte, ainda não está definido se o seu uso será regulamentado nos Estados Unidos, onde,além das queixas sobre o custo deste equipamento, há criticas à falta de experiência em casos reais e suspeita da possibilidade de ocorrência de desligamentos involuntários.

Resta conferir e lamentar o estrago ambiental provocado por esta explosão…

Menos de dois dias depois da explosão que originou o incontrolável incêndio da plataforma esta adernou e afundou. Reunimos fotos e vídeo desta fase do sinistro que apresentamos abaixo:

Anúncios

abril 30, 2010 at 2:38 am Deixe um comentário

Incêndio destrói lojas no centro de Manaus – 19.04.2010

Um incêndio destruiu cinco lojas do centro de Manaus em apenas duas horas na tarde desta segunda-feira, 19.04.2010. O trânsito nas Avenidas Sete de Setembro, Getulio Vargas e Eduardo Ribeiro foi interditado. Os funcionários evacuaram a área. De acordo com o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Amazonas, Antônio Dias, o fogo começou em uma loja de calçados situada na Avenida Sete de Setembro e se espalhou rapidamente para outros estabelecimentos. “O material era de alta combustão e produziu bastante fumaça, além de as lojas serem em construções muito antigas e começarem a desabar internamente”, disse. As chamas chegaram a ter mais de 10 metros de altura e a fumaça podia ser vista a mais de 20 quilômetros do local do incêndio. “Como aquela região é repleta de lojas de roupas e calçados, o fogo foi se propagando muito rápido”, disse o comandante.

Os bombeiros tiveram de resfriar as paredes de prédios vizinhos para evitar que eles também fossem atingidos pelo incêndio. Os prédios tiveram de ser esvaziados.

Nesta região, a maior parte dos estabelecimentos comerciais vende produtos eletroeletrônicos e roupas, reminiscentes do tempo em que Manaus era conhecida pela venda de produtos importados com as facilidades fiscais da Zona Franca.

O prédio incendiado é um dos mais antigos do centro de Manaus com mais de 80 anos de construção, pertencente ao casario tombado da capital amazonense e tinha a fachada de 1906 preservada. Mas como o fogo, há um grande risco da fachada também ruir. A Defesa Civil isolou a área e os bombeiros só chegam próximo alguns metros das portas das lojas.

Segundo a assessoria da polícia militar, uma policial se feriu sem gravidade durante o desabamento externo de uma das lojas. Não houve vítimas. Cem policiais militares, 70 bombeiros e três carros-pipa foram usados.

Segundo o coronel Antônio Dias, ainda é cedo para apontar as causas do acidente. “O pessoal do Instituto de Criminalística tem 30 dias para fazer a perícia no local. Estamos trabalhando para deixar a área pronta para eles o mais rápido possível, mas ainda é prematuro apontar uma causa”, disse.

Ainda não há informações sobre o volume do prejuízo causado pelo fogo. Por conta do incidente, trechos da Avenida Sete de Setembro continuaram interditados por alguns dias. A fachada do prédio atingido está repleta de rachaduras e há risco de desabamento no local. No dia 20 de abril técnicos do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil voltaram à área para analisar o local e verificar se há possibilidade de liberação. Os prédios vizinhos ao acidente forma liberados em algumas horas.

“Esta área sempre foi usada com fins comerciais. Mesmo no tempo áureo da borracha, a Avenida Sete de Setembro já era muito movimentada. Por isso os prédios são usados até hoje como lojas. Será uma perda considerável para o patrimônio histórico de Manaus caso o prédio seja realmente condenado e desabe”, disse o historiador Pontes Filho. Veja vídeo preparado pela Globo News:

abril 20, 2010 at 8:32 pm Deixe um comentário

Incêndio em refinaria da Tesoro Corp. em Anacortes, EUA mata 5 e fere várias pessoas – 02.04.2010

Uma refinaria de petróleo na cidade de Anacortes, no estado de Washington, Estados Unidos, foi atingida por uma explosão e incêndio na madrugada do dia 2 de abril de 2010, esta refinaria foi recentemente multada por violações de segurança em meio ao que a Guarda Federal chama de uma tendência preocupante de acidentes graves nas refinarias.

A refinaria pertence à Tesoro Corp e a cidade de Anacortes fica a cerca de 70 quilômetros ao norte de Seattle em Puget Sound. O sinistro ocorreu em torno de 12h30 Os funcionários estavam fazendo trabalho de manutenção em uma unidade que processa líquidos altamente inflamáveis derivados do processo de refino, segundo informações da companhia.

A explosão abalou casas e acordou moradores há vários quilômetros de distância, projetando chamas da mesma altura das torres da refinaria, o incêndio foi extinto cerca de 90 minutos depois.

“Poderíamos dizer que isso foi horrível, que foi gigantesco”, disse Jan Taylor de La Conner, Washington, que sentiram a explosão balançar o seu trailer estacionado no parque de trailers do outro lado da baía.

Três homens morreram no local e duas pessoas morreram mais tarde em um hospital de Seattle.Outras pessoas foram hospitalizadas com queimaduras graves na maior parte de seus corpos. Foi o maior acidente fatal em refinarias desde 2005 quando ocorreu uma explosão em uma refinaria da BP Americana no Texas e que matou 15 pessoas e feriu outras 170.

Seis investigadores do U.S. Chemical Safety and  Hazard Investigation Board (Comissão Americana de Segurança Química e Investigação de Risco) foram enviados para a cena, e o Washington Department of Labor and Industries (Departamento do Trabalho e Indústria do Estado de  Washington) iniciou uma investigação.

A agência havia multado a empresa Tesoro Corp, que tem sede em Santo Antonio no Texas, em 85.700,00 dólares em abril último devido a 17 de violações de segurança e saúde graves, definidas como sendo aquelas com o potencial de causar a morte ou lesões corporais graves.

Os inspetores encontraram 150 casos de irregularidades e disseram que a companhia não garantia práticas de trabalho seguro e falhava em atualizar as informações de segurança quando eram feitas alterações em equipamentos.

Em novembro, as autoridades estaduais chegaram a um acordo com Tesoro Corp, exigindo, em parte, que a empresa corrigisse os perigos e que contratasse um consultor independente para fazer uma auditoria de segurança. A solução reduziu a pena total para 12.250,00 dólares e reduziu o número de violações a três.

“Não sei se qualquer um daqueles riscos foi envolvido no incidente que aconteceu no dia 2”, disse Hector Castro, porta-voz do Departamento do Trabalho do estado de Washington. A empresa também foi multada em 6.000,00 dólares por duas violações graves em 2005, e outros 6.000,00 dólares por duas violações graves em 2007, disse Castro.

Jeff Haffner, conselheiro geral associado da Tesoro Corp, disse que a auditoria de terceiros foi concluída há poucas semanas, mas a empresa de consultoria contratada ainda não tinha emitido o seu relatório.

A maioria dos itens envolve requisitos para gestão da segurança, disse ele.

“Não há nenhuma maneira de sabermos se o objeto de qualquer desses itens está relacionado, isto se algum estiver, a este incidente, porque não sabemos o que causou o incidente,” disse Haffner.

A empresa está conduzindo sua própria investigação sobre o incêndio, disse ele.

A explosão ocorreu em uma unidade que estava em um perigoso processo de retornar à operação, com calor e pressão crescentes, disse o porta-voz da Tesoro Corp. Greg Wright.

“É um processo volátil”, disse Wright. “Somos muito diligentes sobre sermos seguros”.

As inspeções do estado faziam parte de um esforço nacional para examinar todas as refinarias de petróleo nos Estados Unidos após a explosão de 2005 no Texas.

Dos 18 acidentes mais graves a Comissão Americana de Segurança Química e Investigação de Risco está atualmente examinando pelo menos sete refinarias, disse Daniel Horowitz, porta-voz do conselho. No entanto, existem apenas 150 refinarias no país e dezenas de milhares de plantas de outros produtos químicos.

“Nosso conselho está extremamente preocupado com a segurança neste setor”, disse Horowitz. “Houve uma grande quantidade de acidentes no setor de refino. Houve uma grande quantidade de violações de segurança.”

Investigadores da empresa ainda estavam tentando determinar a causa exata do incêndio, disse Wright, e a extensão dos danos ainda é desconhecida. Partes da refinaria continuam a operar, disse ele, e qualquer perda na produção pode, provavelmente, ser compensada por um aumento da produção da refinaria da Tesoro ou de outras refinarias da costa oeste, ou comprando produtos de terceiros.

Existem quatro grandes refinarias no noroeste do estado de Washington. Este é o primeiro incêndio em refinaria na cidade de Anacortes desde 2007, quando um incêndio danificou um tanque de armazenamento na refinaria Puget Sound da Shell e três pessoas sofreram ferimentos leves. A refinaria de Tesoro teve um incêndio em 2002, sem feridos.

Seis trabalhadores da refinaria Puget Sound Equilon de Anacortes morreram em uma explosão seguida de incêndio em 1998.

No dia 12 de abril de 2010 a Tesoro Corp comunicou o fechamento temporário de sua refinaria de 120.000 barris/dia de Anacortes para a realização de trabalhos de recuperação do equipamento.

abril 13, 2010 at 8:13 pm Deixe um comentário


abril 2010
S T Q Q S S D
« mar   maio »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Blog Stats

  • 85,491 hits

Tópicos recentes

Páginas

mais acessados

  • Nenhum